Busca no site 
 NOTÍCIAS
 
Encontro debateu desafios da formação em Psicologia no Brasil
 
Postado em 12/7/2017

O Encontro Mineiro de Coordenadores de Curso de Psicologia e Responsáveis Técnicos pelos Serviços Escola contou com a participação de representantes de várias instituições de ensino do estado na última sexta-feira, 7/7. A atividade foi promovida pelo Conselho Regional de Psicologia – Minas Gerais (CRP-MG). Veja fotos do encontro.

A conselheira e coordenadora da comissão de Psicologia e Formação Profissional do CRP-MG, Stela Bretas, explicou que de abril a junho de 2017, o Conselho promoveu encontros nas seis subsedes do Conselho no estado. Nessas reuniões preparatórias foram apontadas diversas questões, muitas relacionadas à revisão da cartilha sobre os serviços escola, para as quais o CRP-MG, juntamente com a Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (ABEP), tem avaliado propostas.

A conselheira destacou que desde 2014 o CRP-MG tem realizado ações de aproximação junto às 76  instituições de Ensino Superior que ofertam a graduação em Psicologia, em Minas Gerais. A realização de encontros anuais com os coordenadores de curso compõe esse conjunto de iniciativas.

Formação de psicólogas(os) - O pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUC Minas, João Leite Ferreira Neto, discutiu a trajetória da formação em Psicologia no Brasil e as atuais diretrizes curriculares.

O professor relatou que no momento da regulamentação da Psicologia como profissão no país, em 1962, a preparação para atuação na clínica ocupou posição hegemônica na formação. Essa tendência refletia a forma como a Psicologia estava inserida na sociedade brasileira naquele momento.

Passados mais de 20 anos, a maioria das(os) psicólogas(os) continuava a atuar como profissionais liberais, prestando serviços a quem pudesse pagar, como revelou pesquisa produzida em 1988. No entanto, estudo divulgado em 2010, mostrou uma alteração significativa nesse quadro: a maior parte das(os) psicólogas(os) se torna assalariadas(os), atuando principalmente em instituições governamentais, junto às políticas públicas.

“Desconheço, inclusive noutros países, locais em que a Psicologia tenha a inserção em tantas áreas, como no Brasil”, afirmou João Ferreira Neto.

Diretrizes – O pesquisador abordou o processo de revisão das diretrizes curriculares realizado pelo Ministério da Educação (MEC), em 1997. Na avaliação de João Ferreira Neto, ainda que a reformulação tenha optado por mudar o foco da transmissão de conteúdos para a formação em competências e habilidades, a transformação não ocorreu na prática.

“Estamos fazendo a reforma dos currículos, usamos a linguagem das competências, mas ainda operamos na lógica dos conteúdos”, apontou o pesquisador.
 
Outro aspecto primordial da formação em Psicologia é a orientação das(os) estudantes nos estágios. Na maior parte dos casos, o que se verifica é que as(os) orientadoras(es) devem acompanhar um número grande de estudantes e com uma carga horária inferior a que seria necessária para que a orientação ocorresse de forma adequada.

Conjuntura - A vice-presidente da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (Abep), Sônia Lemos, abordou os atuais desafios para o ensino da Psicologia no Brasil.

A professora destacou a importância de que a formação assuma uma perspectiva crítico-reflexiva em relação ao contexto de aumento de desigualdades, congelamento de investimentos em saúde e educação e restrição do acesso a serviços sociais. “Como o profissional que vamos formar vai dar conta deste cenário?”, questionou.

Também foram discutidas as pressões mercadológicas que interferem na formação, como o grande número de estudantes por orientador(a) nos estágios e a oferta de cursos de Psicologia na modalidade de ensino à distância. Em relação à graduação na modalidade a distância, a ABEP já se manifestou publicamente de forma contrária, enfatizou Sônia Lemos.

ELEIÇÕES ABEP MINAS
Em paralelo ao encontro de coordenadores de curso, também ocorreu o Encontro Regional da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (Abep).

Foram realizadas eleições para a coordenação do núcleo da Associação em Minas Gerais e a chapa inscrita foi eleita por unanimidade. Dessa forma, a coordenação da ABEP Minas Gerais passa a ser exercida por:

Maria de Fátima Lobo Boschi - Presidente
Evely Najjar Capdeville - Vice-presidente
Maria Lúcia Vidal Mattos - Secretária
Marcus Macedo - Suplente